Hoje é celebrada a Inti Raymi, festa tradicional Inca que comemora o solstício de inverno anualmente  no dia 24 de junho. É conhecida como Festa do Sol e o evento, que é parte do legado histórico Inca, acontece em Cusco desde 1944.

A jornada inicia em Qoricancha (Templo do Sol, um dos lugares mais lindos e cheios de energia que já visitei), seguindo para a Praça de Armas e depois rumo à Sacsayhuaman, onde acontece a cerimônia principal.

Os festejos são todos direcionados à Inti, o deus do Sol, e o festival pede pela volta dele, que presenteia a todos com seu calor, seu brilho e com colheitas incríveis. A cerimônia atrai muitos turistas para a cidade com muita música, comídas típicas, artesanato, danças e cultura.

A festa não poderia ficar sem muita música, dança e deliciosas comidas típicas andinas. Esta é a maior e mais importante celebração peruana, seguindo uma tradição religiosa cheia de boas energias. A entrada é gratuita até que se chegue à Saqsaywaman, onde há 4 mil lugares disponíveis para quem comprou ingresso, no valor de US$ 50 a US$ 140, dependendo do assento escolhido.

HISTÓRIA

Segundo o site cuscoperu.com:

“Anteriormente, quando Cusco era habitada apenas pela família real, sacerdotes e pessoas importantes do império e a celebração religiosa tiveram lugar todos os anos na praça principal de Cusco.

O “Inti Raymi” ou “Festa do Sol”, é a maior festa, a mais importante, espetacular e magnífica realizada nos dias do Império do Tawantinsuyu que baseou sua religião sobre o culto do Sol Inti Raymi foi feita para adorar o “Apu Inti” (Deus Sol), também conhecida em algumas regiões como “Apu P’unchau” (Deus do dia)

Os súditos do Inca continuaram secretamente celebrando a festa das autoridades espanholas, e um mestiço chamado Garcilaso de la Vega, em seu famoso Comentários Reais, descreve este festival como único e incomparável.

A entrada do Inca a Praça de Armas ou a Esplanada de Sacsayhuaman foi sempre governada por um grupo de “ajllas” que espalhavam flores e acompanhado por Pichaq, os homens que eram responsáveis em porta vassouras de palha afugentar os maus espíritos que possam ter na estrada. O Inca em todas as atividades ao ar livre foi sempre acompanhado por seu “kumillo” ou anão corcunda carregando o “Achiwa”, uma espécie de guarda-chuva ou guarda-sol de penas coloridas.

Outra parte da celebração do Inti Raymi é à cerimônia do Fogo Novo. Nesta parte da cerimônia foi recebido ordem do Inca para apagar o fogo em todas as cozinhas de Cusco e arredores com o objetivo de tomar o fogo novo, que foi distribuído a partir de um fogo em todas as cozinhas da cidade. Isso porque os cozinheiros são especialistas não só na culinária, mas também em manter o fogo e as cinzas.”

Eu ainda não tive a oportunidade de participar do festival, pois viajei em janeiro, mas minha próxima visita certamente será durante o solstício!

Comments

comments